sábado, 12 de novembro de 2016

Maxxi


Eu não estava lá quando você nasceu naquela quarta-feira dia 27 de maio, mas amei você desde aquela quarta-feira dia 05 de agosto, quando te vi embaixo do carro, abanando o rabo pra mim numa mistura que julguei ser de alegria e medo, mas que na verdade era uma timidez gentil que lhe acompanhou durante todos os dias da sua vida. 

Você veio da sua cidade natal até a minha, onde alegrou dias numa casa que já não era mais a minha casa, embora no fundo, de alguma forma, vá sempre ser. 


Você não quis ser “de” ninguém. Não tinha donos, só amigos. 


Você era de todos, alegrava todos e gostava de todos sem distinção. 


Você era o filhote preterido da ninhada, ligeiramente desproporcional, muito tímido, não gostava de passear, não entendia muito bem a dinâmica das brincadeiras. Era diferente de um jeito todo seu.


Tornou-se o pastor mais bonito, mais gentil e mais verdadeiramente bom de que já se teve notícia.
Aprendi de você um tipo de amor leve e despretensioso difícil de tentar explicar. 


Aprendi com você a respeitar o espaço daqueles que são diferentes, esperar o tempo dos outros e a não abandonar os amigos. Você entendia a solidariedade de um nível impossível pra mim e sempre foi motivo de reflexão. 


Na quarta, dia 16 de novembro você tinha um encontro quase certo com os amigos que já tinham cruzado a ponte, mas a história da sua vida, cheia de quartas-feiras terminaria num sábado dia 12, da forma como foi desde o princípio: Tranquila, sem alarde, de uma serenidade muito digna e silenciosa.
 

Meu coração partido está cheio de fragmentos das coisas que você me ensinou e quando ele parar de doer essa dor aguda e pungente, conseguirei rir feliz lembrando os bons momentos que não precisam ser gravados em tinta, porque não podem ser apagados com nenhum substrato.
 

Maxxi, só obrigado.
De coração.








sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Quero Bolinho!


Sou paulista e moro em BH.
Sempre que estou lá na minha terra as pessoas perguntam da vida na capital mineira.

Sempre respondo que quando mudei para BH, entendi o que é turismo gastronômico.

A comida é forte e encorpada, salões de beleza e academias simplesmente brotam em todas as partes, assim como lojas de açaí e espetarias.

E tem cada morro que não dá pra carro 1.0 nem fazendo figa! (Pra que academia?!)

Mas o trânsito...! Que medo!!
Eu sendo paulista do interiorrr e estando acostumada ao trânsito da capital e das rodovias do estado todo, depois de ser estradeira por uma vida toda, fiquei passada. (É a única coisa com a qual não consigo me acostumar...)

Mas logo de cara, nos meus primeiros dias dirigindo pelos morros, estradas e ruas daqui, encontrei os bolinhos. Ah! Os Bolinhos!!

querobolinho.com.br

Os bolinhos são uma invenção da grafiteira Maria Raquel Bolinho, estão espalhados por toda a Belo Horizonte (e por outras partes mais) e -descobri recentemente- são xodó dos belo-horizontinos!

Os bolinhos alegram minhas incursões por esse meu novo lar e me fazem rir ao volante.

querobolinho.com.br

 No site querobolinho.com.br, tem mais informações sobre os bolinhos e até o mapa de onde eles estão. Cada dia tem mais bolinhos saindo do forno e isso me motivou a fazer um fanart... Minha versão atual, nas Minas Gerais, em forma de bolinho, com direito a Chia e sapatilha de plástico.



...

Info: Todas as fotos são do site oficial do bolinho da grafiteira Maria Raquel e estão reproduzidas aqui a título de divulgação. O fanart foi feito pela autora dessa postagem.

terça-feira, 9 de agosto de 2016

oGp


Meu primeiro blog solo, oGp foi publicado de 9 de agosto de 2004 a 9 de agosto de 2011.


Me lembro de muitas coisas divertidas que publiquei por lá nos sete anos de duração do gato preto.
Escolhi o nome que é super manjado, porque na época tinha escrito um texto sobre expectativas para o futuro, que incluíam ter um um gato preto, macho, vira-latas.

De lá pra cá já se vão doze anos.
Fazem cinco que o blog o gato preto foi encerrado.
De lá pra cá mudei de estado civil, de cidade e de estado.
Fazem seis meses que tenho um gato preto vira-latas que adotei como sendo macho e que é, na verdade, muito fêmea.

Quem disse que a vida é cheia de surpresas, sabia o que estava falando.

...

Info: Ilustração feita pela autora. 
O blog OGp não está mais no ar e agora somente existe nos arquivos de backups.

quinta-feira, 4 de agosto de 2016

Arquétipo



Não é que eu não goste das princesas... Eu gosto.
Mas a vida real não combina com o arquétipo.

...

Info: Ilustração feita pela autora. As princesas da Disney tem direitos reservados e foram retratadas como fanart.


quarta-feira, 27 de julho de 2016

Customização: Kjersti Trollson


No final do ano passado eu havia concluído meu projeto de customização de bonecas MH para um quadro.

Um projeto de uso abusivo da cor preta monocromático, com indumentária de estilo social, rock, modesto e clássico. Foram 13 bonecas escolhidas a dedo para refletir facetas de uma personalidade meio pirada multidisciplinar.

Depois que já tinha passado a régua, a Mattel fez o favor de lançar uma Troll Gamer.

Gamer é uma descrição tão apropriada pra mim que não deu pra deixar a baixinha Kjersti Trollson de fora do quadro.

Ai o jeito foi esticar o projeto, que incluiu Avea Trotter que eu já tinha gostado desde sempre mas estava fora de catálogo.

Perdi o charme do número 13, mas ganhei uma centaura.

Estou cogitando a possibilidade de incluir uma Catty Noir com customização de Chia.

Mas enfim... Um review rápido da customização da Kjersti:

Cabelo cortado (uma pena perder os cachos, mas estavam com pouca definição) unha do dedão pintada de branco (uma referência a star wars que só fãs hardcore entenderão), bermuda jeans surrada, corrente, coturno pintado de preto (as meias foram cortadas), meia calça redinha feita com retalhos de tule preto, pulseira original e pulseira da Frankie clássica (a fininha não lembro de quem era) e a fita na cabeça era a echarpe da Rochelle Goyle.



A parte branca do olho estava cor de rosa e foi pintada de branco.



A camiseta foi pintada com pincel 000 e tinta acrílica e a bolsa joystick, mantida, claro.

...

Info: Fotos tiradas pela autora, exceto foto da promocional da boneca em sua versão original, que é da Mattel.